05/02/2008


A Poção da Bruxa Errante

Trago comigo, espetado no peito
a adaga vil de uma maga vã.
Enquanto jorra um fluxo quente
minando a força do sentido ardente,
uma dança, em gargalhadas
inverossímeis,
improvisa-se naquele planalto rente,
untado de frenesi.

Quando finda tenebroso ensaio,
Não sai a maga em sua vassoura errante:
Antes, desfila nas superquadras milimétricas,
Num vôo rasante,
Com o seu ‘aspirador de pó’ gigante.
Antes da inconsciência,
banhado naquele caldeirão fumegante,
vislumbrei os feitiços elegantes
proferidos ela bruxa errante
quando, ainda fantasiada de musa,
me entregou os seus olhos brilhantes,
impregnou seu cheiro em meus sonhos... e
sumiu.
Voara para o seu castelo.
Me atraiu de um encanto só...
E, antes de fechar a porta,
senti a adaga cortar a minha carne:
Leito dos Inocentes.
Eu era apenas mais um ingrediente
da poção que ela preparara
para restituir àquele sapo louro,
sua condição de príncipe.

(Elmano Sandino, dezembro, 1990)













O Poema é de Lustato Tenterrara
Teresina/PI - Brasil, Escritor Profissional

http://recantodasletras.uol.com.br/autor.php?id=19983

6 comentários:

  1. ÄñGiE: Obrigado, gracias, besos...

    Estou muito contente, especialmente ante o poema que escolhestes para postar...
    Gosto muito d'A Poção da Bruxa Errante... Assim, de uma forma específica... Inexplicável.
    Embala o meu coração saber que alguma outra pessoa também o tenha enxergado...
    Ah! Adorei, também, as imagens, (da Bruxa, do caldeirão) anexadas ao teu post...
    Divina e Bela ÄñGïe... Besos...
    (Poderiam ser 'calientes', enquanto dormes? Eh! Soube da tua insônia e da tua falta de sonhos, esta madrugada... Mas, se reparares bem... Um sonho, ao menos, sonhastes, tenho certeza, pois me fizestes sonhar com vida inteligente na net... e no amanhecer do dia)...

    Beijo.sssss
    Lustato.
    The. 06.02.2008 12:01 LT

    ResponderExcluir
  2. Ah! E obrigado pelos elogios tantos... (Aos demais poemas)...

    Ave! Google, que trouxe a tua janela até mim.

    Beijo.
    Lustato.

    ResponderExcluir
  3. Ah! A imagem daquela linda e adorável bruxinha - e trazendo pela mão - displicente - um pequeno ursinho de pelúcia - a demonstrar ser ela apenas uma menininha - está que é uma maravilha... Representa exatamente a lembrança que o meu imaginário possui daquela beleza de mulher.

    Beijo.
    Lustato.
    tHe 10.02.2008 08:41 LT

    ResponderExcluir
  4. A lua pode se ver,
    Bela a cada noite de luar,
    Como uma mulher,
    Que nos atrai com seu olhar.

    Como poeta aqui estou,
    Para o meu talento mostrar,
    Orkut comigo quem quiser,
    Como amigo de fato adicionar.

    poetapaulo2410@hotmail.com
    Basta querer me aceitar,
    Mais de dez mil poesias inspirei,
    Algumas eu pude registrar.

    Como poeta sou muito bom,
    Não deixe de me adicionar,
    Quero nesse meio tempo,
    Mais amigos orkut conquistar.

    Do poeta: Paulo de Andrade

    ResponderExcluir
  5. http://bit.ly/site-do-escritor
    A Poção da Bruxa Errante
    (by Elmano Sandino)
    http://bit.ly/a-pocao-da-bruxa-errante

    Trago comigo, espetado no peito
    a adaga vil de uma Maga Vã.

    Enquanto jorra um fluxo quente
    minando a força do sentido ardente,
    uma dança, em gargalhadas inverossímeis,
    improvisa-se naquele planalto rente, untado de frenesi.

    Quando finda tenebroso ensaio,
    Não sai a Maga em sua vassoura errante:
    Antes, desfila nas superquadras milimétricas,
    Num vôo rasante, com o seu ‘aspirador de pó’ gigante.

    Antes da inconsciência,
    banhado naquele caldeirão fumegante,
    vislumbrei os feitiços elegantes
    proferidos pela bruxa errante

    Quando, ainda fantasiada de musa,
    me entregou os seus olhos brilhantes,
    impregnou seu cheiro em meus sonhos
    e, sumiu!

    Voara para o seu castelo!
    Me atraiu de um encanto só.
    E antes de fechar a porta
    senti a adaga cortar a minha carne:

    Leito dos Inocentes!

    Eu era apenas mais um ingrediente
    da Poção que ela preparara
    para restituir àquele sapo louro,
    a sua condição de Príncipe.

    (Elmano Sandino, dezembro, 1990)

    Quem disser outra coisa, pode dizer, mas este poema foi uma inspiração divina, tanto pelo estágio latente do escritor, à época, quanto pelo factível fato de ter sido escrito de uma só vez. No tapa! A única coisa que mudou foi o Título, o qual era o atual precedido do verso solitário número 23 "Leito dos Inocentes!". E, após alguma década, letra maiúscula nos termos personificados.
    bye.
    Saudades (se vc não for o owner do BDE!)
    Lustato Tenterrara
    http://bit.ly/a-pocao-da-bruxa-errante

    ResponderExcluir
  6. Não tenho nenhuma semelhança e nenhum parentesco com o dono do BDE. E não sei pq vc encasquetou essa idéia. :)

    ResponderExcluir